Tendência Neomoderna

Tendência Neomoderna

Tendência Neomoderna

11 de dezembro de 2017

O conjunto de tendências que apresentamos em 2015 trazia uma conexão bem intimista entre o usuário e o espaços domésticos e que se estenderam para o ambiente de trabalho. E nos interessa retomar porque desenvolvemos projetos a partir dessas tendências, que em grande parte não desaparecem porque estão conectadas com a nossa cultura e os aos nossos hábitos.

O nosso propósito das tendências é explorar o design brasileiro e sua conexão com outras culturas, e nesse sentido, pesquisamos o modernismo e como ele continua presente no Brasil.

O modernismo é um estilo que está no DNA brasileiro, principalmente na região sudeste e centro-oeste, e somamos a isso o lifestyle contemporâneo que revisita nossas características estéticas do século 20.

Mapa de influência cultural no design brasileiro – de 1920 a 1950

O modernismo propôs formas que estivessem conectados com o grande boom industrial do século 20, tendo a tecnologia como ponto central. A Bauhaus experimentou novas formas, novos materiais e inovou nas técnicas e tecnologias sob a estética da máquina. Os ambientes domésticos foram revisitados e sofreram transformações a partir do conceito “a casa é uma máquina de morar”, definida pelo arquiteto francês Le Corbusier.

“A máquina de morar”, interpretada pelo diretor Jacques Tati, 1958.
http://shangols.canalblog.com/archives/2009/10/06/15326699.html

Os novos conceitos modernistas organizaram a forma de maneira racional, superfícies limpas sem ornamentos e  funcionalidade clara, objetiva e precisa.

Interior da casa dos professores da Bauhaus. Estúdio de  László Moholy-Nagy – 1925-1926.
https://www.harvardartmuseums.org/art/169187

Na escola Bauhaus, todos os espaços eram compostos com a própria produção da escola, como o escritório do diretor e fundador da escola, Walter Gropius. Na composição é possível vermos as cores e as formas que marcaram a estética modenistas como as linhas retas, as formas quadrangulares, a racionalidade e o uso de cores neutras, acromáticas e primárias.

Perspectiva isométrica do escritório de Walter Gropius na escola Bauhaus. 1928-29
http://www.malikgallery.com/images/product-hirez/details/mc-l-3500/mc-l-3500%203p.jpg

No que diz respeito às mudanças no espaço doméstico, desde os anos 1980 cresce a relação entre o ambiente doméstico e o ambientes de trabalho, criando o conceito de Home Office. As formas e os detalhes dessa tendência trouxeram características de um revivalismo do modernismo das vanguardas da primeira metade do século 20. Essa tendência carrega as referências que definiram a estética modernista no Brasil a partir de influências da escola alemã de design, a Bauhaus de 1919, somadas ao Racionalismo Francês de Le Corbusier dos anos 1920, e a escola alemã de Ulm , além dessas influências, as heranças do modernismo brasileiro com Lina Bo Bardi dos anos 1950. No mesmo período, algumas críticas foram feitas ao modernismo sob alegão de ser um período que se distanciou dos símbolos, das memórias e das referências regionais e culturais. O modernismo tinha como premissa a negação da tradição e das referências históricas no Ocidente. O diretor e ator francês Jacques Tati criou uma grande obra prima cinematográfica, o filme “Mon Oncle” em 1958. O filme mostra o conflito da casa racional e tecnológica, diante de antigos hábitos e o conforto da casa com identidade (CAPA – https://images.adsttc.com/media/images/54e9/f193/e58e/ce7f/c300/0142/large_jpg/Still_from_film_Mon_Oncle_1958_director_Jacques_Tati.jpg?1424617802 ).

Apesar da multiplicidade do Lifestyle contemporâneo, alguns traços marcantes se mantiveram em comum no presente, como o aconchego – acima de tudo – uma qualidade que veio para ficar, além das várias opções pela familiaridade em elementos que auxiliem o individuo a se reconhecer, se sociabilizar, que também conecte suas necessidades privadas e públicas.

Mas o foco do Neomoderno se dá principalmente na familiaridade, por ser uma retomada de formas precisas, com funções de uso bem práticas e acabamentos resultantes da estética da máquina, mas nessa nova versão, utilizamos novos materiais, tecnologias e cores inusitadas. Sendo assim, as formas e os acabamentos são derivados da produção industrial, ainda mais simplificada, quase minimalista.

 

EXATIDÃO – FUNÇÃO – INDUSTRIAL – PRECISÃO – BÁSICO

 

A tendência NEOMODERNO é um revivalismo do período modernista e resgata as qualidades deste estilo que foi marcante na primeira metade do século 20. Nessa tendência se misturam a reedição das peças de época com as novas criações influenciadas pelo modernismo, principalmente da produção de móveis e objetos da escola alemã Bauhaus. Em paralelo também encontramos a reedição limitada de designers modernistas brasileiros como a cadeira Bowl da arquiteta Lina Bo Bardi, em 2015, ano que ela foi homenageada com uma grande exposição em Roma.

O que caracteriza essa tendência são as formas quadrangulares de acabamentos precisos e claramente de influência industrial. A função ganha maior importância que a forma. As cores são sóbrias em superfícies de muito pouca ou nenhuma estampa.

Cartela cromática: